Golpe contra Dilma Roussef e a ascensão do sionismo no Brasil

│Middle East Council│Tarsila Shahadeh / Analista Politica Internacional.-

No dia 17 de abril deste ano foi aprovada em sessão da Câmara dos Deputados a instauração do processo de impeachment da presidente eleita Dilma Roussef(Partido dos Trabalhadores), transmitida ao vivo em rede nacional pela golpista emissora Rede Globo, a mais influente do Brasil. O que se viu foi um verdadeiro circo dos horrores onde parlamentares vendidos  justificavam seus votos a favor do impeachment com frases, que não se pode nem considerar argumentos, que iam das mais absurdas como “pelo aniversário da minha filha”, “pela nação evangélica”(a bancada evangélica-sionista na câmara é grande) até “pela paz em Jerusalém”, teve inclusive, homenagem do deputado sionista Jair Bolsonaro a criminoso torturador do golpe militar de 1964, deputado esse que acaba de voltar de uma viagem a Israel, onde demonstrou todo seu apoio e servidão ao sionismo.

Antes dessa demonstração grotesca da fragilidade da democracia brasileira, onde uma presidente eleita é afastada por parlamentares sem nenhum comprometimento com o povo, vimos  movimentos de rua chamados por organizações virtuais tais como “Movimento Brasil Livre” “Vem pra Rua” e “Revoltados OnLine” que levaram uma parcela da classe média  a protestos com um discurso falso-nacionalista, raso e hipócrita “contra a corrupção” que acabou logo após o afastamento da presidente(beneficiando os corruptos que só começaram a ser investigados durante o governo Dilma). Setores da burguesia representados pela Federação das Industrias de São Paulo(FIES)  financiaram  campanhas de difamação do PT.  A mídia brasileira sempre evidenciou qualquer suspeita com relação ao Partido dos Trabalhadores e ignorou e até mesmo ocultou crimes comprovados da oposição, manipulando a população , os levando a acreditar que o PT era a raiz de todo mal no Brasil.

Para além de uma burguesia fascista que quer a diminuição ou corte de verbas do governo para políticas sociais, menos impostos para a industria e flexibilização das leis trabalhistas, temos o imperialismo por trás do golpe, com a intenção de derrubar um governo minimamente nacionalista, colocar um neoliberal com políticas entreguistas e visando nossas reservas de petróleo.

Não é novidade que o imperialismo tem financiado golpes pelo mundo no desespero da crise capitalista generalizada desde 2008. O que vimos na Líbia, Síria e Ucrânia são exemplos mais drásticos do dedo imperialista na política mundial. O capitalismo está em crise, o imperialismo fará de tudo para garantir que os trabalhadores paguem pela crise, para isso precisam ter o controle,  precisam de entreguistas, como o sionista Michel Temer, que já teve o nome revelado pelo Wikileaks como informante dos EUA e agora é presidente interino do Brasil durante o afastamento da presidente Dilma Roussef.

Michel Temer: um sionista na presidência do Brasil.
A imprensa sionista está em festa desde a ascensão de Michel Temer a presidência interina do Brasil.  O site de noticias israelense Ynet destacou que Temer é um “amigo da comunidade judaica” e que ele nomeou para a presidência do Banco Central o “orgulho israelense” Ilan Goldfajn.
Goldfajn, novo presidente do Banco Central nomeado por Temer, nasceu em Israel e mudou-se para o Brasil aos 10 anos. Fluente em hebraico, Goldfajn tem família em Israel e visita o país com frequência. Em janeiro de 2015 participou de um seminário sobre a economia brasileira  promovido pela  Câmara de Comércio e Industria Israel-Brasil e pelo Instituto de Exportação de Israel.

Para Ministro das relações exteriores Temer nomeou José Serra, a quem o Times of Israel chamou de “amigo de longa data da comunidade judaica”.
Outros nomes sionistas ocupam lugares estratégicos no governo Temer, como Raul Jungmann como Ministro da Defesa e Sérgio Etchegoyen como Ministro Chefe da Secretaria de Segurança Institucional, pasta a qual a Agência Brasileira de Inteligência(ABIN) ficará subordinada.
Como se não fosse o bastante a nomeação de sionistas para cargos estratégicos e cruciais do Brasil, durante a 199° sessão da UNESCO realizada em abril, o governo Temer mudou o voto do Brasil na ONU com relação ao patrimônio cultural dos territórios roubados por Israel na Guerra dos Seis Dias, e ficou a favor de Israel.

 Não só se especula como é fato de que o governo Temer fortalece cada vez mais as relações Brasil-Israel em detrimento das relações Brasil-Palestina, tão fortalecidas durante o governo do PT, que inclusive no começo desse ano durante o governo Dilma recusou a nomeação do colono Dani Dayan como novo Embaixador de Israel no Brasil, deixando o cargo vago.

 Sendo assim, coloca-se  na ordem do dia que os militantes pró-Palestina no Brasil e no mundo se posicionem veementemente contra o governo golpista de Michel Temer, serviçal do sionismo,  que tem promovido retrocessos na política nacional e vergonhosamente também na questão Palestina.│Geopolitical International Council over Middle East-International Affairs Council over Middle East │ Consejo de Asuntos Internacionales sobre Medio Oriente-Consejo Internacional Geopolitico sobre Medio Oriente المجلس الدولي الجيوسياسي حول الشرق الأوسط - ‎المجلس الشؤون الدولية الاوسط‎ حول الشرق - │
Share on Google Plus

Middle East Council Editor

Geopolitical International Council over Middle East - International Affairs Council over Middle East-School of Government Middle East Council │ GLOBAL INTELLECTUAL PROPERTY REGISTRY/NUMBER:1 507154 639494 Safe Creative. ALL RIGHTS RESERVED.

Fashion

IRAK MIDDLE EAST COUNCIL

Radio de las Naciones Unidas, New York

PALESTINE MIDDLE EAST COUNCIL

YEMEN MIDDLE EAST COUNCIL

SEMINARIOS INTERNACIONALES ONLINE 2016